Costa da Caparica - Romantismo e harmonia emolduram o Convento dos Capuchos


No cimo da arriba situa-se o Convento dos Capuchos, integrado na Paisagem Protegida da Arriba Fóssil da Costa da Caparica.


Vários edifícios religiosos de norte a sul de Portugal são designados por Convento dos Capuchos, por isso, é importante realçar a qual nos estamos a referir. Desta feita, é o Convento dos Capuchos da Caparica.

Tratando-se de um convento da ordem dos frades Franciscanos construído no século XVI, não admira a sua simplicidade, sem pecar na elegância, refletindo o espírito dos Franciscanos.


De acordo com os princípios dos Franciscanos, estes devem viver da forma mais simples e pobre possível, regendo-se pela humildade e devoção.  O convento é uma demonstração disso mesmo, não ostentando elementos de riqueza e decorativos... Completamente despojado, com um ar muito sóbrio,  linhas simples, pintado de branco.

Na fachada da igreja encontram-se os símbolos, tanto da Ordem Franciscana (à direita), como o escudo das armas dos Távoras (à esquerda), família do fundador deste convento. Ainda é possível observar a imagem do Santo António, colocado num nicho, no topo da igreja.


A entrada da igreja está ladeada por um conjunto de azulejos: dois painéis a retratar os sermões de Santo António, sendo um deles o sermão aos peixes, e outros decorativos.

       



 

O espaço envolvente integra o Jardim do Convento (jardim público) e o Miradouro Pablo Neruda.






Acesso ao varandim do convento sobre o Atlântico que passou a ser designado por Miradouro Pablo Neruda:




Daqui temos vistas magníficas sobre a Costa da Caparica e toda a zona envolvente:





Foi em 2005 que Almada assinalou o centenário do nascimento do poeta chileno Pablo Neruda (pseudónimo de Ricardo Reys Basoalto) com um monumento de homenagem ao Nobel da Literatura de 1971. O monumento é da autoria do escultor José Aurélio e intitula-se "Mil Olhos".


Segundo o autor da escultura, a mesma sugere um livro que se abre ao mundo...


Por muito que tentasse pesquisar informações, não encontrei nenhuma ligação deste grande poeta do amor com a Costa da Caparica, nem tão pouco com Portugal. Estranho fazer-se uma homenagem local a uma personalidade sem haver laços...além deste monumento, existe também uma via designada por Via Panorâmica Pablo Neruda que integra inclusivamente uma rotunda...para não ficar intrigada com esta questão, agradecia se alguém me soubesse esclarecer sobre a ligação deste poeta com a Costa da Caparica... E não vale responder que se trata de um poeta que se inspirou muito no mar para as suas obras...

Essa explicação não me faz sentido, visto sermos um país pequeno com uma costa enorme: vivemos ao lado do mar, vivemos do mar, vivemos para o mar... pelo que grandes escritores portugueses, e em particular poetas portugueses, já retrataram de formas tão belas e únicas o mar português: o mar dos descobridores, o mar dos pescadores... Também se canta o mar.... liga-se a saudade ao mar....


Toda a zona envolvente está muito bem cuidada e limpa, transmitindo-nos muita calma e paz, respirando romantismo e os ares puros do Atlântico, compondo a moldura de um cenário muito harmonioso com o convento.

Apesar da zona envolvente manter os mesmos traços ligeiros e simplicidade do convento, aqui "brinca-se" com as formas, transformando-se num ambiente muito acolhedor e romântico, convidando a permanecer neste local, seja para namorar, com o Atlântico aos pés, ou para meditar...



↪ Por detrás desta grade encontra-se uma imagem da Nossa Senhora da Boa Viagem para tentar, sob o seu olhar atento, proteger os navegadores dos perigos do mar, e levá-los a bom porto.



Chama a atenção a utilização de conchas e pedras para revestir as paredes, construindo padrões de decoração, tão singelas e ricas ao mesmo tempo, estabelecendo de forma natural uma ponte de ligação ao Atlântico.




É claro que os painéis de azulejos também não ficaram esquecidos, surgindo pontualmente em espaços estratégicos, ganhando um impacto visual grandioso e de reflexão.



O romantismo insiste com os vários elementos que preenchem esta zona e ao som do chilrear suave dos passarinhos, longe do rebuliço da cidade...



O jardim ganha um ar requintado com uma pequena estátua de um anjinho no centro do jardim, encontrando-se pelo menos outra a salpicar outro espaço. Discretos, mas de grande presença.




Outro grande destaque deste complexo é sem dúvida a Capelinha dedicada ao Santo António. Mais uma vez, utilizaram-se sobretudo pedras e conchas como elementos decorativos, um mimo...





A capelinha tem o tecto em forma de abóbada que está todo forrado com conchas. Bem, infelizmente já não está todo, mas enfim quase todo...



O nosso querido Santo António poderá ter sido o primeiro franciscano português!


Os Franciscanos

A Ordem dos Franciscanos é a ordem criada por São Francisco de Assis. Na realidade podem-se distinguir neste âmbito três ordens: a Primeira Ordem que corresponde à Ordem dos Frades Menores da Observância ou simplesmente Ordem dos Frades Menores; a Segunda Ordem que corresponde à Ordem de Santa Clara (Clarissas) ou Ordem das Senhoras Pobres; a Terceira Ordem, correspondente à Ordem Franciscana Secular.

Sabendo que os Franciscanos se organizavam em províncias, o Convento dos Capuchos pertencia à antiga província religiosa, Província da Arrábida. Esta província foi iniciada por Frei Martinho de Santa Maria na ermida dedicada à Nossa Senhora na Serra da Arrábida, oferecida por João Lencastre, Duque de Aveiro, à Ordem Franciscana. Em 1542 a ermida foi transformada no Convento da Nossa Senhora da Arrábida, que juntamente com o Convento dos Capuchos da Caparica, o Convento dos Capuchos de Sintra, entre outros, formaram em 1552 uma custódia, e em 1560 foi elevada a província.

Integravam a Província da Arrábida os Frades da Estreita Observância, grupo da primeira ordem franciscana que se caracterizavam por um regime de vida muito austero, ainda mais rígido do que os restantes ramos desta ordem. Estes frades eram popularmente conhecidos por Frades Arrábidos, por terem tido origem na Serra da Arrábida, ou Capuchos, devido ao capucho pontiagudo do seu hábito muito pobre. Passaram-se mais tarde a intitular Franciscanos Descalços, e ficaram por fim ainda conhecidos por  Franciscanos Descalços Alcantarinos, por influência de São Pedro de Alcântara.

Para mim, de uma forma mais informal, os frades franciscanos são um misto entre padres e monges, pois praticam a pregação e a evangelização junto às populações, mas vivem nos conventos em comunidades fechadas num regime de vida muito rígido, em retiro e oração, sendo por isso mesmo considerada uma ordem mendicante.

Já que estou a divagar pelo mundo das ordens religiosas da Igreja Católica, acrescento ainda que os Franciscanos integram o grupo do clero regular (significa em latim regula) ou clero religioso que vivem segundo determinadas regras de vida impostas pela respetiva ordem, enquanto o clero secular (significa em latim mundo) é constituído pelos sacerdotes que trabalham junto do povo. Achei engraçado o meu filho, por coincidência, também se estar a debruçar sobre estas questões, por estar a estudar a diferença entre clero regular e clero secular para o teste de HGP de 5º ano... :)

E para terminar, outra curiosidade: Em vez de utilizar a expressão "junto do povo", deveria utilizar  "junto dos leigos" que segundo o Concílio Vaticano II, convocado a 25 de dezembro de 1961, designa todos os cristãos, à exceção dos membros de Ordem Sacra e do estado religioso. O Concílio Vaticano II pretendeu assim demarcar-se publicamente da semântica atribuída à palavra leigo sobretudo na Idade Média. Nessa altura, leigo referia-se ao povo analfabeto e que não tinha conhecimento da língua latina, língua oficial da Igreja Católica e Apostólica Romana. Desta forma, no grego clássico, leigo tem como significado "povo inferior". Apesar de no latim leigo significar "povo", foi também traduzido como "idiota", "plebe",...
Eu utilizo muito a palavra leigo, porque efetivamente reconheço ser leiga em muitas matérias. Mas, por via das dúvidas, não esteja eu a chamar nomes a mim própria... lá fui espreitar o dicionário. Atualmente, tem efetivamente três significados: (1) laico; (2) desconhecedor e (3) serviçal de convento que não tinha ordens... assim já fico mais descansada.

História do Convento dos Capuchos da Caparica

O Convento dos Capuchos da Caparica com invocação a Nossa Senhora da Piedade, foi fundado em 1558 por D. Lourenço Pires de Távora (1510-1573), 4º senhor da Casa e Morgado da Caparica, cujo túmulo se encontra nesta igreja.


Porém, a história não foi simpática com este convento... o tempo não augurou nada de bom para o mesmo..

Primeiro, com o grande terramoto de Lisboa a 1 de novembro de 1755, o convento foi fortemente afetado. Depois, seguiu-se o conhecido Processo dos Távoras, no qual a família Távora foi acusada de um suposto atentado ao rei D. José I, tendo todos os membros desta família sido executados a 13 de janeiro de 1759 por ordem do Marquês de Pombal.

Por fim, o decreto datado de 28 de maio e promulgado a 30 de maio de 1834, extinguiu todas as ordens religiosas masculinas e a nacionalização dos seus bens, integrando-os nos Próprios da Fazenda Nacional. Em relação às ordens religiosas femininas, estas caminharam para o seu fim lenta mas gradualmente, com a proibição de aceitarem mais noviças.
Foi Joaquim António de Aguiar que, no exercício das suas funções como Ministro dos Negócios Eclesiásticos e da Justiça, promulgou este decreto durante a regência de D. Pedro nos Açores em nome da sua filha D. Maria da Glória. Esta lei valeu-lhe a atribuição da alcunha Mata-Frades.

No entanto, quero fazer aqui uma ressalva, levantar uma pequena reflexão, talvez já mais alguém tenha pensado nisto: ok, então os frades e as freiras vivem nos conventos, mas os monges e as monjas vivem nos mosteiros. Esta lei tanto extinguiu os conventos como os mosteiros...mata-frades ou mata-monges ou mata-ambos... mata-frades e monges... mata-monges e frades...entenderam a ideia...
E mais, com esta medida, a Fazenda Nacional deve ter crescido imenso...  impostos para quê... cá para mim outra alcunha merecedora seria enche-os-bolsos.

Com a extinção da vida religiosa em Portugal no ano 1834, a ordem franciscana não foi exceção, tendo todos os conventos desta ordem entretanto sido vendidos. Em 1950, depois de ter passado por vários proprietários, a Câmara Municipal de Almada adquiriu o Convento dos Capuchos da Caparica, permanecendo até aos dias de hoje proprietária do mesmo.


Desde então, o Convento dos Capuchos da Caparica tem vindo a ser alvo de diversas obras de restauro e recuperação desde 1952, sendo atualmente um espaço dedicado à divulgação cultural...


Destaco ainda o Festival Internacional de Música dos Capuchos que decorre anualmente neste espaço, sendo o grande foco a música erudita que se enquadra de forma harmoniosa neste espaço, de origem franciscana, de contemplação e silêncio. Para os mais curiosos poderem ficar com uma ideia da dimensão deste festival, podem consultar o programa completo da 7ª edição de 2017.

Publicámos também os seguintes posts sobre a Paisagem Protegida da Arriba Fóssil da Costa da Caparica:

Já agora, aproveitem e consultem >>>> Costa da Caparica - A não perder...

A visitar nos arredores:

↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝↝ Toca a zarpar!

Para ler mais sobre o tema deste post, podem consultar as seguintes ligações externas de referência:

(1) Convento dos Capuchos da Caparica:
(2) Os Franciscanos:

Comentários